Dinheiro ou satisfação pessoal: como decidir sua carreira

Comentarios:

Home Pra Carreira
Dinheiro ou satisfação pessoa

Quando escolhemos uma profissão, precisamos levar em conta vários fatores: a atuação dela no mercado de trabalho, a rotina de seus profissionais, o currículo das universidades e, claro, aquilo que desejamos fazer no futuro. Porém, muitas vezes, esses fatores podem ir de encontro uns aos outros e o indivíduo deve definir uma prioridade.

É o caso das pessoas que desejam fazer cursos que não são vistos socialmente como rentáveis, como Artes, Letras, Pedagogia, Música, etc. Ou cursos que são pouco reconhecidos, como Biblioteconomia, Museologia, Ciências Atuariais, etc. O fato é que muitos desses estudantes se veem pensando no que seria melhor: uma profissão que dê mais lucro ou que dê mais satisfação pessoal?

Vamos ponderar os dois lados da moeda:

E se você escolher ganhar mais dinheiro?

A vida adulta tem cobranças. E muitas delas são literais: você precisa de dinheiro para sobreviver. Por isso, não há nada de errado em levar isso em consideração na hora de escolher a carreira que deseja seguir. É importante saber quanto é a média salarial, se o mercado está contratando com frequência e quais são as possibilidades de crescer na área.

Porém, ganhar dinheiro não pode ser seu único prospecto porque, se analisarmos bem, é algo muito incerto. O mercado de trabalho é muito dinâmico e está passando por mudanças o tempo todo. Talvez, quando você se formar, aquela área já não esteja mais contratando tanto. Talvez tenha tantos profissionais na mesma carreira que o mercado já não os valorize como antes e o salário seja baixo.

Além disso, na maioria das vezes, a satisfação financeira é muito passageira e não compensa um dia estressante em um trabalho que você não gosta. Se você escolher uma profissão só pelo dinheiro, o único dia em que você estará satisfeito é o dia do pagamento.

E se você escolher a satisfação pessoal?

Nada parece melhor do que ser pago para fazer aquilo que ama, traz felicidade até que você faria de graça, se fosse preciso. Então, é importante pensar na sua satisfação pessoal quando for escolher sua carreira. Um bom trabalho é aquele que você sente prazer em fazer. Ficamos mais motivados e produtivos quando gostamos do que fazemos.

Porém, a verdade é que até aquilo que gostamos pode se tornar enfadonho com o tempo. Quantas coisas você amava fazer, mas hoje não gosta tanto assim? De quantas coisas instigantes e apaixonantes você enjoou? Aquilo que é divertido quando é um hobby pode se tornar muito chato quando vira uma obrigação.

A rotina pode deixar seus sonhos entediantes e sem graça. Pense que é diferente amar cozinhar para os seus amigos e familiares e gostar da rotina de uma cozinha em um restaurante, com toda a correria exigida. Por isso, esse não pode ser o único fator relevante na hora de escolher uma carreira.

Então, escolher uma profissão exclusivamente por um desses motivos é um problema. É importante encontrar algo que você goste de fazer e que consiga se enxergar fazendo por muito tempo, em um mercado de trabalho exigente e turbulento. Mas, além disso, pensar de que maneiras isso pode ser rentável para que você tenha um patrimônio sólido no futuro, podendo não só pagar as contas, mas ter os confortos de que precisa. A boa notícia é que toda área pode dar dinheiro – mesmo que seja mais fácil em algumas do que em outras.

Siga o seu coração, mas siga também sua mente. Faça com que os dois trabalhem juntos quando for tomar decisões importantes assim!

Deixe uma resposta